Missões, Mover pelas Nações!

Querido amigo leitor, irmão em Cristo Jesus, que a Paz do Senhor esteja hoje e sempre em seu coração.

Quero exaltar a grandeza de nosso Deus pelas bênçãos que até aqui por nós foram alcançadas. EBENEZER, pedra verdadeira de auxílio que é nosso Senhor.

Com essa palavra quero que Deus anime todos a viver missões, amar missões com ousadia e se entregar por missões, pois missão verdadeiramente é o coração de Deus. João 3.16.
Existem sim, variadas formas de se fazer missões. Instrumentos variados são necessários, mas não podemos nos esquecer de nosso principal instrumento a BÍBLIA. Ela nos leva a fazer missões verdadeiramente Cristocêntrica onde o objetivo é unicamente o Reino de Deus e não a vaidade humana.

Em algum tempo de fé e de experiência cristã, pude notar alguns aspectos neste surgimento do Neopentecostalísmo, com sua doutrina que , de acordo com o Adicionar Of Pentecostal And Christian Movements (Dicionário do Movimento Pentecostal e Cristão):
“Confissão positiva é um título alternativo para a teologia da fórmula da fé, também conhecido como fé ou doutrina da prosperidade promulgada por tele evangelistas contemporâneos, sob a liderança e a inspiração de Essek William Kenyon. A expressão “confissão positiva” pode ser legitimamente interpretada de várias maneiras. O mais significativo de tudo é que a expressão “confissão positiva” se refere literalmente a trazer à existência o que declaramos com nossa boca, uma vez que a fé é uma confissão”.

Infelizmente tenho visto muitas missões e missionários, que pelo mundo, não estão usando o mais poderoso instrumento missionário de nosso arsenal, a BÍBLIA.

Será que você, em sua caixa de ‘’ferramentas’’, carrega esse instrumento? (O Papa Católico não carregava a Bíblia em sua maleta de viagem quando veio ao Brasil!). A Bíblia é um instrumento verdadeiro e infalível.
Missões que têm idealizado suas complexas estratégias de campanhas com artifícios tecnológicos, literaturas atrativas, enfim, mas o que não está presente em sua estratégia, em muitas vezes, é esta ferramenta missionária, desprezada por muitos – a Bíblia.

Eu posso entender isso. Como se pode usar de fato a Bíblia? Você cita alguns versos? Afinal, a Bíblia descreve culturas estranhas a nós, de outra época. Ela contém ensinos profundos que nós missionários urbanos, ou estrangeiros não podemos compreender e talvez perguntássemos a nós mesmos: Mas, farão aquelas palavras sentido aos adolescentes? Aos idosos? Jovens? Eles têm tempo para isso, ou algum interesse neste tipo de missão? A Bíblia é para mais tarde – não para missão? Muitos não tem se importado com a Bíblia, essa é a infeliz realidade.

Bem, então é hora de lermos o nosso verso temático, muitas vezes citado por nós em Atos 4:31: “E, tendo orado, moveu-se o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo, e anunciavam com ousadia a palavra Deus”, aleluia. Espero que você ao ler esta palavra, também, possa anunciar a palavra de Deus com ousadia.

Agora alguém poderia dizer que esta abordagem é séria e forte de mais! De fato, esta não é uma questão a ser desprezada. O fato é que desde seus primórdios os cristãos têm usado as Escrituras no evangelismo. Pedro no dia de Pentecostes, Estevão perante seus acusadores, Paulo no Monte de Marte, todos recorrem às Escrituras que levavam para suas mensagens. Sim, eles estão usando a Bíblia para atingir os pagãos.
Repetidas vezes os cristãos primitivos usam a Escritura para falar aos incrédulos. Nisto, eles não fizeram nada além do que seguir o exemplo de Jesus. No Sermão do Monte, e várias vezes depois disso, a Escritura está constantemente em seus lábios. E João, ao concluir o seu Evangelho (20:31), escreve: “Estes, porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em Seu nome”. O motivo para os relatos de João é claramente evangelístico.

A razão para esse uso constante da Escritura no trabalho missionário primitivo é esta: As pessoas daquela época estavam mergulhadas num mar de mitos e cultos, e estavam desejosas de um padrão que fosse apresentado como impositivo. E essa era uma estratégia muito eficiente.

Na batalha contra o Gnosticismo, por exemplo, ter uma autoridade concreta foi a vitória sobre a dúbia escalada dos mistérios secretos. Vários pais da igreja, como Justino, Tertuliano e Teófilo converteram-se desta forma. E todos nós nos lembramos da história de Agostinho. Aos 33 anos, em profundo desespero, no seu jardim em Milão, ele ouviu uma voz: “Tolle, lege”(Toma, lê). Em obediência, ele foi à Bíblia e esta mudou sua vida, glórias a Deus!

Assim, historicamente a Escritura tem sido “uma missionária poderosa”. Certamente esse foi um grande motivo para a sua tradução! Deixemos o povo saber que “Deus fala a minha língua também!”, assim, o povo se sentirá mais perto de Deus, há muitos ainda fora, não alcançados, precisamos anunciar Jesus.
Então acontece uma mudança que ilustra o assunto. Gradativamente, como sabemos, o uso da Bíblia foi ficando restrito aos clérigos e mosteiros. A missão também entrou num período de aridez. Existe uma conexão? Claro! Em 1229 o Sínodo de Toulouse proibiu a posse da Bíblia pelas pessoas comuns. Bíblias bonitas e caras eram feitas pelos monges e artistas, mas o povo comum não tinha acesso a elas. O uso da Palavra na missão se evaporou, e instalou-se a palavra árida.

Mas, graças a Deus que em nossa época somos testemunhas de como a tradução da Bíblia e a campanha missionária estão se expandindo. Enquanto as regiões mais importantes da Europa ficam mais cansadas e pós-modernas, fora dos mais recentes interesses da fé cristã, há um novo fogo e entusiasmo. A história do crescimento da igreja no Brasil é um surpreendente capítulo dessa narrativa.

Claro, a Bíblia é o nosso guia para a vida toda. Mas o que não podemos esquecer é que a sua Bíblia é o meio melhor e mais eficiente de evangelismo. Devo recordar Billy Graham, que está vivo em nossa memória quando segura a Palavra no alto e proclama: “A Bíblia diz…”.

Na conferência de Billy Graham denominada Amsterdã 2000, o Dr. John Stott enfatizou esta importante questão, e disse que “se a sua missão não for centrada na Bíblia, em primeiro lugar você não terá nada a dizer e, em segundo lugar, você não tem nada que realmente valha a pena ouvir e, finalmente, não há motivo para esperar o sucesso. A Bíblia, disse ele, dá à sua mensagem três coisas: Primeiro que tudo, é a Bíblia que deve dar conteúdo à sua mensagem. A mensagem da Bíblia vem diretamente de Deus, assim, por que deve você apresentar algo menos? Você pensa que precisa amenizar as inflexíveis verdades da Bíblia falando de algo mais? Não. Resista a essa tentação; mantenha o foco nas exatas palavras da Bíblia”.
Em segundo lugar, disse ele, “a Bíblia dá autoridade à sua mensagem. Quem de fato se importa com a sua ou a minha opinião sobre a salvação ou a eternidade? Em seus corações as pessoas querem e precisam de uma palavra que se imponha. Elas podem falar de sua aversão por autoridade, mas é a conversa do ego orgulhoso. Só a Palavra autorizada de Deus provê o que precisamos.
Finalmente, a Bíblia dá poder à sua mensagem. A Bíblia está repleta de imagens de poder. Ela diz que a Palavra de Deus é fogo, é semente, alimento, martelo e a espada do Espírito. Essas não são figuras embaçadas e sem vida. Ao contrário, se tomamos a Bíblia a sério, vamos usar esse instrumento do poder de Deus em nossa missão”.

Graças a DEUS, que em Colombo temos feito missão à luz da Palavra, atingindo a todos, missão urbana, transcultural, igreja fazedora de tendas, assim, movidos pela unção do Espírito Santo.
Convido você para que neste ano ainda, e nos outros vindouros, venhamos a nos mover para missões, lembrando que a oração sempre vai à frente, pois missão começa difícil, se torna impossível e então é feita, porque é pelo poder de Deus, não pela autossuficiência humana, e nem pelos conhecimentos empíricos ou autoaprendizados, mas pela graça onipotente de Deus.

Convido você a estar conosco em nossas CONFERÊNCIAS MISSIONÁRIAS que realizamos na AD COLOMBO, como a que será realizada 11 a 13 de abril de 2013 na congregação do Guaraituba ligando aquela Regional do JD Guaraituba, com seu dirigente Pr Elias Reias, ligando aquela região toda. Têm sido maravilhosos esses eventos. Bem como em nosso CONGREÇO DE MISSOES QUE SE DARÁ DE 6 A 11 DE MAIO PRÓXIMO, PREGADORES ABENÇOADOS E DEUS CERTAMENTE SE MOVERÁ. PARTICIPE E SE ENVOLVA E VOCÊ VERÁ A DIFERENÇA QUE DEUS TRARÁ EM SUA VIDA. Temos tido irrestrito apoio de nossos líderes, a começar pelo nosso Pr. Edilson Siqueira, toda a diretoria da igreja com nossos amados dirigentes das congregações e todos os ministérios de nosso campo, entendendo que missão é de todos e é URGENTE.

Deus certamente se moverá, e juntos faremos a diferença neste tempo do fim.

MISSÕES, MOVER PARA AS NAÇÕES!
DEUS VOS ABENÇOE

Pr Rodrigo Siqueira
Coordenador de Missões AD COLOMBO

Related Posts